Widge
RESISDENT EVIL 6 - O Capítulo Final: Mais do Mesmo - Astrogeek | Astrogeek
Filmes

RESISDENT EVIL 6 – O Capítulo Final: Mais do Mesmo

Resident-Evil-6-O-Capítulo-Final-Resident-Evil-The-Final-Movie-Review

Resident-Evil-6-O-Capítulo-Final-Resident-Evil-The-Final-Movie-Review
RESIDENT EVIL 6 – O Capitulo Final
tem um enredo mais do mesmo que amarra toda a trajetória dos outros filmes da franquia que entrega um filme tipicamente pipoca. Cumpre seu papel de ser divertidamente ruim, sem qualquer pretensão de se tornar um digno trabalho da sétima arte.

O roteiro assinado mais uma vez por Paul W. S. Anderson que também é diretor do filme, se resume de forma bem simples: Alice deve voltar a Colmeia da Umbrella Corporation, pois lá está a cura para o T-virus, mas a missão deve ser feita em determinado tempo antes que tudo acabe.

Aliados da heroína que vimos nos outros filmes voltam, mas também os vilões com seu planos apocalípticos da corporação Umbrella. Entre alguns está de volta o malvado Dr Isaacs (Iain Glen, que esteve presente nos RESIDENTE EVIL 2 e 3 e o próprio Wesker. Estes vão responder como inimigos que farão tudo para impedir que Alice consiga cumprir a missão de chegar à Colmeia, em Racoon City.

A nostalgia dos primeiros filmes da franquia sendo apresentados para o público para o eletrizante desfecho traz alguma redenção momentânea. Além disso, a pegada de filme de horror com ação, traz alguns jump scares que podem fazer até efeito apesar de não ser o foco da franquia.

Quando Paul W. S. Anderson fez a primeiro filme da franquia baseado no game Resident Evil, em 2002, era uma produção modesta e com um orçamento generoso de US$ 35 milhões, mas fez um grande sucesso faturando o triplo. O problema é que a partir do terceiro filme e diante virou uma zoeira sem limites.

A formula de Resident Evil segue em todos os filmes é uma única personagem badass que aguenta todas as porradas, mas com sua maquiagem impecável na cara. Personagens importantes nos games que ficam secundários para sofrer um trágico destino. Cenas coreografadas que muitas vezes fica picotada demais. E um excesso de CGI que torna toda essa odisseia artificial demais.

Tudo parece muito óbvio, muito formulaico, várias cenas colocadas para preencher a trama e com aquelas velhas frases de feitos cafonas e sem trabalhar no desenvolvimento de empatia nos personagens. Se morrer, morreu, pronto e acabou!
RESIDENT EVIL 6 promete pelo subtitulo ser o último… (Ah tá), mas reconheço que mesmo com todos os seus defeitos conseguiu a façanha de fazer sucesso retornável financeiramente nas telonas. Geralmente é uma prova que confirma que qualidade não tem nenhuma ligação com quantidade. Se você quer justificar que se fosse ruim, não teria chegado até aqui, é melhor rever seus conceitos. Existem públicos para todo tipo de filme.
NOTA: 5

PONTO POSITIVO: É o ultimo filme da franquia RESIDENT EVIL (Eu acho)
PONTO NEGATIVO: A mesma formula batida de sempre

Cicero Durães
03/02/2017

Sobre o Autor

Cicero Durães

Cinéfilo apaixonado por filmes de ficção científica, autodidata em designer de edição, e aficionado por cultura nerd. Fã de Legião Urbana e Catedral.